sábado, 17 de novembro de 2012

Supresa do dia, a saracura que tanto queria!

De volta novamente a Barão de Iriri, região que gosto muito de fotografar e que a cada visita sempre consigo um registro diferente,meu dia não começou diferente dos outros que saio para fotografar, acordei bem cedo, conferi os equipamentos, peguei um ônibus e cheguei na casa do Sr.Nicolau que esta sendo o guia desta região e tem me ajudado bastante nos registros.

Por causa  da manhã com clima bem abafado, já pude notar que iria esquentar bastante naquele sábado,  pegamos o carro e  fomos direto para o Rio Iriri  (queria descer de barco ate um certo ponto e depois voltar para ver se encontraríamos novamente a ave conhecida como  Colhereiro - (Ardea ajaja)).
Antes, demos uma passadinha rápida a um ninhal de guaxe (Cacicus haemorrhous), que o Sr.nicolau encontrou a alguns metros de sua casa, Guaxes não são fáceis de fotografar e a única forma para chegar bem próximos a eles  seria nos locais onde constroem  seus ninhos, chegamos em uma área com bastante mata ao lado de uma montanha e havia uma árvore que estava na beira  do Rio e que ficava dentro de uma propriedade, porém, como o  Sr.Nicolau é conhecido por  todos na região, não tivemos problema em acessar a área mesmo assim, continuei um tanto cabreiro de levar “tiro de sal-grosso” perguntei se não havia problemas, tendo como resposta dele, que era tranquilo (ok! Eu confiei)
 Demos uma volta, pulamos a cerca de arame farpado, entramos  num matagal, descemos uma pequena elevação com direito a alguns tombos e pronto, já estávamos pertinho dos guaches e também de alguns cachorros que por sorte estavam presos...(Graças a Deus), ali perto também encontrei um ninho de Elaenia.sp....

Casal de guaxe (Cacicus haemorrhous)


guaxe (Cacicus haemorrhous)
guaxe (Cacicus haemorrhous)



Ninho de Elaenia sp.
 Depois de algumas fotos, sai dali rapidinho hehe*  pegamos o carro e fomos beirando o rio para pegar um barquinho e tentar achar algum registro novo para a região.Passando em uma estrada com algumas casas que ficavam na beira do rio, encontrei, um solitário e tranquilo savacu-de-coroa (Nyctanassa violacea),numa área aberta que novamente estava dentro de uma propriedade, desta vez antes de pular a pequena cerca pedi para o Sr.nicolau avisar os respectivos donos, como ele e muito conhecido ocorreu tudo bem ate ficou por lá um pouco tomando um café enquanto eu fotografava rs* desta vez eu dei a volta evitando de pular a cerca e consegui chegar bem perto dele para fotografá-lo, foi muito legal, depois de algumas fotos ele saiu em disparada para dentro do mangue...

savacu-de-coroa (Nyctanassa violacea)
savacu-de-coroa (Nyctanassa violacea)
 Conferindo as fotos que por sinal ficaram boas, muito boas, aproveitei e fui mostrar para a Senhora super simpática que ficou maravilhada com as imagens, e me contou sobre algumas aves que frequentam o quintal dela, como por exemplo alguns pica-paus, saracuras, dentre outros,  contudo a hora passava e agradecemos pelo café e pela água e fomos ate a entrada do Rio Iriri, pegamos o barco e logo entramos na água, a maré estava subindo e a descida foi bem rápida, cada vez que descíamos avistávamos garças azuis,outros savacus-de-cora e biguas que voavam espantados, e bem difícil chegar pertinho deles, observando ao redor notei uma pequena ave que vocalizava e voava bem pertinho da lamina d’agua, e pousou a nossa frente em algumas estacas no meio do rio, pedi para o Sr.nicolau deixar o barco descer sozinho e em silêncio, fomos nos aproximando lentamente dele,foi bem difícil fotografa-lo pois o barco balançava bastante e ele era pequenino, então ele foi embora, vocalizando bastante... na hora fiquei em duvida de ser algum maçarico, depois pesquisando identifiquei que era o maçarico-pintado (Actitis macularius)  consegui mais um registro inédito para Magé!! 

maçarico-pintado (Actitis macularius)
 Descendo o rio avistamos vários Martim-pescador-grande que passavam vocalizando margeando o rio, e também o Martim-pescador-pequeno (Chloroceryle americana) que atravessava de uma margem a outra em busca de peixinhos desavisados e um casal de picapau-de-cabeça-amarela que infelizmente estavam muito para dentro da vegetação do mangue impossibilitando uma melhor visualização...
Resolvemos voltar pois, o sol já estava esquentando muito, demos uma pequena parada em um banco de areia no meio do rio onde o Sr,Nicolau foi se refrescar e eu só molhar os pés hehe na volta encontrei um biguá solitário descansando nas estacas, consegui registrar algo bem nojento e particular que só notei depois que desembarcamos e fui ver os resultados na câmera tomando uma coca-cola bem gelada....

biguá (Phalacrocorax brasilianus)
biguá (Phalacrocorax brasilianus)
 A manhã passou rápida, apesar de poucos avistamentos, tive registros bastante interessantes, então decidi fechar o dia e ir para casa, o Sr.Nicolau me ofereceu uma carona para Piabetá quando estávamos saindo de Barão e entrando em Surui, o Nicolau viu um gavião pousado em uma árvore seca no alto do morro, desci para verificar  e era um lindo falcão-de-coleira (Falco femoralis), pena que estava muito longe, mais valeu ter avistado este bicho pousado...

falcão-de-coleira (Falco femoralis)
Mais a frente quando passávamos de carro para minha alegria e algo que não esperava, encontrei a saracura que tanto procurava, rapidamente pedi para parar o carro e falei que tinha observado ela em uma clareira no meio do mangue, então pedi para que  desse uma pequena ré, mais infelizmente com o erro da marcha o carro soltou um barulho espantando a saracura, eu não ia deixar passar esta oportunidade, saltei do carro rapidamente e dei a volta, entrei dentro do mangue, e fiquei embaixo de um arbusto agachado, aguardando a saracura aparecer, fiquei ali por mais de 20 minutos e com lama ate no tornozelo, bem pertinho de mim surgiu  atravessando em passos lentos  com suas pernas vermelhas bem notáveis um charme a parte, cheguei a ficar com as vistas umedecidas com este lindo momento, enfim consegui registrar a saracura-tres-potes um lifer que tanto queria, foi maravilhoso ...

saracura-três-potes (Aramides cajanea)
saracura-três-potes (Aramides cajanea)

Assim consegui chegar a meta e passando de 200 espécies, fechando com a Saracura-três-potes, agora tenho outra meta um pouco mais difícil, desta vez quero 300 espécies e você vai poder acompanhar tudo relatado aqui, obrigado a todos e até os próximos registros...

3 comentários:

Diana Rocha disse...

Parabéns anjo! Como sempre belas fotos
:D

Juli disse...

Que beleza!As saracuras são arriscas e quando vimos uma é um felicidade enorme!

PauloDias disse...

Obrigado, sao sempre ariscas hehehe as do JArdim Botanico nao sao assim...rsrsrs